Wednesday, December 26, 2007

PONTO

Não resisti. Tinha que falar alguma coisa depois de tantos dias sem uma linha nova. Foram dias inevitavelmente dificeis, mas confesso que importantes para eu chegar no dia de hoje. Passei pelos blogs de todos amigos, não deixei nenhum comentário por que precisava estar recolhido. Falei horas a fio com alguns blogeiros no MSN. Não é discriminar ninguém, apenas coincidências de horários e humores. Me perdoem aqueles que não respondi, juro que nunca esqueci de vocês. Reli alguns posts antigos, em especial meu ultimo post de 2006. Confesso que sempre me emociono no inicio dos anos. Acredito muito no futuro, nos novos ares, nas novas cores do ano, nos planos, na renovação da vida. Mas confesso que nesse ano tenho pensado muito sobre tudo que eu e muitas pessoas que estão na minha volta já conquistaram (incluindo vários amigos blogeiros). Fico pensando muito na relatividade do prazeres e dos valores. Fico pensando na conquistas que hoje não significam muito para mim. Mas que foram importantes naquele momento e naquele espaço até para que hoje eu possa lembrá-las com um carinho especial. Não estou melancólico, apenas bastante sensibilizado com o post do Râzi sobre as poesias presentes, sobre o email do Poison, sobre palavras trocadas com o Calouro, sobre o carinho do Aventura, e sobre todos os outros queridos amigos virtuais que fazem parte da minha vida espiritual.
Amanhã (27) viajo para um lugar especial. Escolhido a dedo e conforme a opinião de alguns blogeiros: um paraiso. Quero ficar lá sim para entrar em 2008 com os pés no oceano e com os olhos para as estrelas, brindando um ano novo com amor, carinho, respeito, e principalmente com a certeza de que sempre chegamos onde desejamos. Por isso vamos continuar acreditando na nossa existência como um imenso privilégio.

Pela primeira vez estou postando um video. Como forma de agradecimento a todos meus amigos de 2007 queria dividir essa mensagem que achei fascinante e especialmente tocante. Acho que esse video tem a cara de todos nós. Dediquem 2 min e assistam sem chorar muito. kkkk.

video

Beijo no coração de todos. Feliz 2008.

Tuesday, October 16, 2007

Hands


Achei muito legal esse texto.Parece impossivel de ler, mas basta ler as primeiras palavras para descobrir o poder de nossa mente.

3M D14 D3 V3R40, 3574V4 N4 PR414, 0853RV4ND0 DU45 CR14NC45 8R1NC4ND0 N4
4R314. 3L45 7R484LH4V4M MU170 C0N57RU1ND0 UM C4573L0 D3 4R314, C0M 70RR35, P4554R3L45 3 P4554G3NS 1N73RN45. QU4ND0 3575V4M QU453 4C484ND0, V310 UM4 0ND4 3 D357RU1U 7UD0, R3DU21ND0 0 C4573L0 4 UM M0N73 D3 4R314 3 35PUM4.
4CH31 QU3, D3P015 D3 74N70 35F0RC0 3 CU1D4D0, 45 CR14NC45 C41R14M N0 CH0R0, C0RR3R4M P3L4 PR414, FUG1ND0 D4 4GU4, R1ND0 D3 M405 D4D45 3 C0M3C4R4M 4 C0N57RU1R 0U7R0 C4573L0. C0MPR33ND1 QU3 H4V14 4PR3ND1D0 UM4 GR4ND3 L1C40; G4574M05 MU170 73MP0 D4 N0554 V1D4 C0N57RU1ND0 4LGUM4 C0154 3 M415 C3D0 0U M415 74RD3, UM4 0ND4 P0D3R4 V1R 3 D357RU1R 7UD0 0 QU3 L3V4M05 74N70 73MP0 P4R4 C0N57RU1R. M45 QU4ND0 1550 4C0N73C3R 50M3N73 4QU3L3 QU3 73M 45 M405 D3 4LGU3M P4R4 53GUR4R, 53R4 C4P42 D3 50RR1R! S0 0 QU3 P3RM4N3C3 3 4 4M124D3, 0 4M0R 3 C4R1NH0.


0 R3570 3 F3170 D3 4R314




Obrigado a todos meus amigos que energizaram meus dias.

Friday, October 05, 2007

Crying


As vezes nos sentimos pequenos. Muito pequenos. Estava sumido sim. Estava sumido por que estava vivendo dias muito difíceis. Dias que muitos já viveram, e outros ainda viverão. Temos muitos poderes, mas ainda não podemos mudar o tempo e nem alguns fatos que a vida nos apresenta.

Sim! Perdi uma das pessoas mais importantes da minha vida. Nunca foi tão difícil e duramente triste ganhar um beijo de despedida. Um beijo de proteção eterna. Um beijo de adeus. Meu conforto é ter tido a oportunidade de ganhar esse beijo recheado de palavras que vão ficar ecoando o resto de minha vida no meu coração.

Valeu meu pai!

Thursday, September 13, 2007

Work


Tá eu sei.....eu sei que podia ter aparecido antes. Ao menos pra dizer que o mundo não acabou (..ainda!!!) e que eu continuo vivo. Mas entre a tensão do trabalho que ando vivendo nas últimas semanas e as dores pessoais que tenho enfrentando, fica um blog vazio de novidades e informações. Isso não quer dizer que não andei por ai ..... nos amigos, nos vizinhos, e nos desconhecidos....fiquei lendo, festejando aniversários, comemorando jantares, quebrando a cabeça com posts misteriosos,.... enfim ando por aqui sim. Mas fico nesse tom de quem não tem nada pra contribuir ...não quero falar apenas da minha paixao pelo meu trabalho, pois posso parecer um chato.......me canso, mas confesso que sinto-me orgulhoso do que faço.....aliás, amanhã vou ir bem pertinho da casa de um blogeiro famoso ...vou lá encantar clientes....apesar da "catigoria", ainda não é a vez de ganhar a vida com o corpito ...ahahh....bom acho que por agora era isso..... quero voltar ainda amanha, mas por segurança levo minha mochila com caneta e escova de dentes....ah casaco??? não precisa pq dizem que lá o calor tá africano. bj e obrigado pelas visitas.

Tuesday, August 21, 2007

Carinho


Hoje estou triste. Quando descobrimos que nossos mundos pessoais não são eternos descobrimos o gosto amargo da tristeza. Engulo em seco e sinto um aperto no coração. Existem tristezas que são particulares e que jamais conseguiria expressar em palavras. Apenas sei que a vida trás momentos dificeis que temos que vencer.

Ao mesmo tempo estou feliz pela confiança que tenho com dois blogeiros. Sei que sabem quem são.

Obrigado pelas dicas de viagem. Talvez tenha que adiar novamente minhas trips de 2007.


Sunday, August 12, 2007

Viagem

Nos próximos dias, vai fazer um ano que fiz aquela viagem maluca de viajar para uma região de canyos para escalar montanhas, descer rios, encostar as mãos no céu e falar com Deus.....estou falando daquela viagem do post "terapia de choque".

Estou querendo repetir a dose, mas para outro local. Estou quebrando a cabeça para encontrar um lugar. Na teoria gostaria de um plano criativo, econômico e inesquecível. Dificil??? Pois é...já descartei as dicas do Rodrigo para a Lúcia ( essa vale para o noveleiros). As minhas manias quase maniaticas sempre sào limitantes para qualquer folheto de agências de viagens.....sempre olho isso com sensaÇão de estar sendo enagando.
Acho que numa viagem precisamos de uns 02 dias de adaptação para nos convecer que estamos em férias e relaxar com relógios, internet, etc. Odeio ir para lugares que tenho que esperar em filas para entrar num restaurante,,,fico com a sensação de perda de tempo em conhecer alguma coisa !!! Acho péssimo ir a lugares onde vão todos os turistas, prefiro estar disfarçado de um curioso que se perdeu no caminho....por isso fujo de viagens para locais de moda durante feriadões.....por mais maravilhoso que seja jamais repetirei "Reveillon em Punta del Este - Urguay".... encontramos amigos, vizinhos, clientes, fornecedores e mais um monte de gente que vemos todos os dias na vidinha que temos em nossas cidades.
Até agora as dicas são lençois maranhenses....meu problema é o pânico que tenho em andar de aviões (não de morrer, mas de voar mesmo!!!) e nessa empreitada tem um trecho com um aviào de 04 lugares !!!! Nem fudendo!!! A segunda é o Sul do Chile ...quase na Antártica ...dizem que é absurdamente maravilhoso...se vai até a cidade mais ao sul do Chile e faz-se um cruzeiro por um mar gelado com direito a ver icebergs, pinguins, focas, etc...


Quero dicas e sugestões...não me importo de viajar de mochila, de esquecer o celular, e de finjir que encaro qualquer parada.

Sunday, July 29, 2007

Liberdade


Hoje estou escrevendo esse texto a moda Poison, ou seja, com algumas taças de vinho na volta de mim. Mas com o frio que faz nessa noite, após um fim-de-semana congelante, certamente não existe opção melhor. Acho que o Lê (do Raizi ) deveria ter conhecido Porto Alegre nesses dias, assim certamente ficaria mais impressionado com o frio que anda fazendo.

Nos últimos dias andei lendo alguns posts que repetem uma miopia sobre a liberdade. Essa conversa de que arranjar um bom emprego para morar sozinho é sinônimo de liberdade, vivendo e sentindo o que quiserem pois não precisarão explicar nada para ninguém. Será?

Quando eu tinha 19 anos (tá, sei que faz tempo!) tive a oportunidade de morar 01 ano fora do Brasil. Primeira vez para quase tudo naquele ano: viajar de avião, trabalhar, estudar em outro país, lavar roupas (todas as roupas!), controlar a grana, etc. Numa época em que não existia Internet, blog, webcam, cyber, email, celular, na minha cabeça eu teria a liberdade para fazer tudo que não podia fazer na casa dos meus pais. Festas, bares, amigos novos, bebidas, etc. Um grande equivoco. Tinha vizinhos, tinha colegas, tinha chefe, tinha o dono da fruteira, tinha um mundo de pessoas que me controlavam além do que eu imaginava. Na noite que cheguei de viagem, após abrir malas e presentes, meu pai sentou junto a mim e metralhou: “Tu é homossexual??”.

Tudo isso eu lembrei hoje num tradicional almoço em família. Meu sobrinho contava as aventuras de suas férias no Rio. Entre tantas coisas, o sucesso ficou por conta do ótimo Hotel que ficaram em Ipanema, perto da praia, restaurantes, lojas, etc. O grande problema que estava cheio de “gays”na volta. De forma caricata começou a contar de homens andando de mãos dadas, beijando-se, caçando, etc....Tudo isso reforçado pelos pais dele. Putz!!!!! Naquele minuto também lembrei de muitas outras coisas. Lembrei de meus amigos blogueiros que moram no Rio, lembrei de meu afilhado Aventura que tem filhos nessa idade, lembrei da história da mãe do Poison, lembrei de meu amigo Bro que sabe do meu dissabor com esses almoços.

Confesso que não fiquei nervoso por mim. Quebrando a cara tive que descobrir que somente poderemos viver algum estado de liberdade quando conseguimos vencer os preconceitos íntimos das nossas opções. Mas confesso que fiquei muito entristecido pelo adulto que será o meu sobrinho.

Sunday, July 08, 2007

Vizinhos


Outro dia tava precisando de um pouco de açúcar e como moro sozinho há muitos anos, não restava outra alternativa do que a que todos estão pensando: "pedir pra um vizinho". Pois é...e foi ai que lembrei da fantasia que sempre tive: ter vizinhos de causar fortes emoções. Mas sinceramente acho que sou muito azarado. Nunca aconteceu de eu suar frio, respirar fundo, suspirar de admiração por algum encontro nos corredores ou no silêncio do elevador. Antes que pensem, não estou falando em fazer sexo em escadarias ou pegações no elevador. Estou apenas admitindo que acharia muito excitante saber da rotina de algum cara interessante, observar ele descendo escadas, ver a cara de banho tomado, cruzar os olhos de forma provocativa. Sei que caso tudo isso acontecesse, jamais sairia dos olhares calorosos para contatos envolventes...talvez no máximo algum comentário que não me fizesse comum.

Confesso que até moro num bairro bastante descolado. Num bairro que sempre foi local de boemia, de intelectuais, de vanguarda, de entendidos. Ops!!!...

Parênteses a moda Ricardo – Tava escrevendo e me peguei usando uma palavra que nunca mais escutei. Para todos aquele que são mais trintões do que trintinhas, sabem que teve uma época em enquadrar alguém como “gay” era quase uma xingação, muito baixo, muito vulgar, muito ....... uiiiiiiiiiiiii.....dai dizíamos que era “entendido”.... era um código mais reservado. Mas assim como o álcool ficou chique e virou etanol..... gay passou ser usual e a bola da vez....

Continuando...então, na minha rua, no supermercado, nos restaurantes, na lojas, nos cafés, etc, é muitíssimo comum cruzar com alguns caras maravilhosos, que provocam nos olhares, interessantes no comportamento, mas que nunca moraram no meu prédio. O lance é esperar segurando a xicara até aparecer uma oportunidade para pedir o açucar.

Monday, June 11, 2007

Polêmica


Fico pensando em como existem pessoas que adoram ser polêmicos. Me sinto uma pessoa hiper simplista nesse aspecto. Acho que até demais. Não consigo dizer um "não" ou um "sim" gratuito apenas para ser polêmico. Não consigo conviver com a polêmica provocativa. Me conheço o suficiente para saber que sofro muito toda vez que tento criar um personagem mais agressivo e pouco politicamente correto. Sofro muito quando tento ser firme e duro em decisões para apenas ser visto, amado ou odiado. Tenho insônia, fico com péssimo humor, fico desencontrado, fico cheio de alergias. Percebo que muitas pessoas são assim. Será por que é uma estratégia fácil?? Será que é um atalho para ganhar comentários??? As vezes admiro, mas confesso que na maioria sinto um profundo sentimento distanciamento. E quando sou vitima da polêmica fico enfurecido. Espera !!! Não estou escrevendo isso para ninguém...absolutamente ninguém. Estou apenas pensando alto. Estou fazendo uma auto-critica de como sou silencioso. Muitas vezes percebo que o silêncio é uma resposta fatal à polêmica. Confesso que não faço isso planejadamente. Sou essencialmente observador e silencioso. Enfim, acho que conquisto meu espaço pela polêmica do silêncio e não pela do barulho. Será?

Monday, May 28, 2007

Dear monster !!!


Pessoal.

Juro que eu nunca pensei em postar esse texto, exatamente por que não conseguiria escrever uma descrição completa. Mas como fui intimado pelo nosso amigo Poison, não poderia deixar esse desafio em aberto. Como quis ser diferente, pedi para um amigo opinar de como ele me via em cada situação. O resultado está ai embaixo. Achei legal, pois ajuda a pereceber como as pessoas nos enxergam. Acho que está bastante próximo do que escereveria, excluindo alguns exageros que deixo para vocês descobrirem. '

Ah, e também será mais fácil escolher algum presente para meu próximo aniversário!!!

Era isso...


Se eu fosse...

Se eu fosse uma hora do dia, seria o entardecer, o inspirador pôr-do-sol nas margens do Guaíba...

Se eu fosse um astro, seria uma estrela cadente, daquelas raras que apontam no céu com a promessa de realizar desejos...

Se eu fosse uma direção, seria um atalho, repleto de possibilidades e servindo de abrigo para o Lobo Mau...

Se eu fosse um móvel, seria uma cômoda antiga, ostentando entalhes rebuscados, perfumes caros, gavetas emperradas e um espelho de reflexos – alguns - distorcidos... essa pegou pesado!!!!

Se eu fosse um líquido, seria Gatorade, energético, saudável, comercial e claro, metido à besta...

Se eu fosse um pecado, seria a luxúria, dando beijos imprensados contra paredes e deslizando dedos pelas barras das cuecas...

Se eu fosse uma pedra, seria um mármore ou um granito, lustroso, imponente e muitas vezes escorregadio...

Se eu fosse uma árvore, seria um carvalho, madeira sisuda e competente, fazendo descansos frondosos e móveis de vida eterna...

Se eu fosse um fruto, seria uma laranja, cítrica e cheia de vitamina C, daquelas que quando bem espremidas rende o melhor dos sucos...

Se eu fosse um clima, seria uma chuva de granizo, estremecendo telhados, assustando alguns e fascinando outros...

Se eu fosse uma flor, seria um cactus, incompreendido, reservado, guardando água para as emergências e deixando todos boquiabertos quando floresce...

Se eu fosse um instrumento musical, seria uma gaita de boca, malandragem, ares de sacana e arma de conquista...

Se eu fosse um elemento, seria com certeza a água, cristalina, envolvente – berço de sereias e casa dos piratas...

Se eu fosse uma cor, seria o verde – cor viva, da natureza, das matas e da esperança...

Se eu fosse um animal, seria um cavalo, um puro-sangue. Pelo brilhoso e crinas longas, trote elegante... selvagem, só sobrevive correndo livre pelos campos...

Se eu fosse um som, seria o da queda da cachoeira se chocando contra as pedras lá embaixo, poder e impacto dissipando na neblina...

Se eu fosse uma música, seria alguma das clássicas do U2, tipo “Beautiful Day” ou “With or Without You”...

Se eu fosse um estilo musical, seria um jazz, daqueles mais viscerais...

Se eu fosse um sentimento, seria o eterno questionamento...

Se eu fosse um livro, seria “O Retrato de Dorian Gray” do Oscar Wilde...

Se eu fosse uma comida, seria um churrasco, picanha sangrenta assada na brasa despertando apetites...

Se eu fosse um lugar, seria o topo de alguma montanha, cadeia isolada desafiando ser conquistada...

Se eu fosse um gosto, seria o gosto das descobertas...

Se eu fosse um cheiro, seria o da chuva molhando a terra...

Se eu fosse uma palavra, seria conquista, pois é a conquista que impulsiona o desbravador...

Se eu fosse um verbo, seria conquistar...

Se eu fosse um objeto, seria uma mochila, daquelas de estimação, na qual se carregam escovas-de-dente, canetas, casacos e sonhos para noites de verão...

Se eu fosse uma peça de roupa, seria um terno italiano, cor fechada, risca-de-giz impecável e corte perfeito, elegante e intimidador...

Se eu fosse uma parte do corpo, seria um par de mãos, curiosas, inquietas, fazendo cócegas, fazendo carícias, dando beliscões...

Se eu fosse uma expressão facial, seria a face insone e saciada, acordando satisfeita após uma noite de prazer...

Se eu fosse um personagem de HQ, seria o Garfield, cheio de manhã e sarcasmo, odiando tudo que é óbvio ou unânime e todas as segundas-feiras...

Se eu fosse um filme, todos os do 007, poder, sofisticação, belas mulheres, cassinos e ação, tudo entre um Dry Martini e outro...

Se eu fosse uma forma, seria um triangulo, bases, arestas e vértices se cruzando no infinito de possibilidades....

Se eu fosse um número, seria o 69, meio emblemático, meio confuso, meio cabalístico e deveras sexual...

Se eu fosse uma estação, seria o verão, com suas praias, surfistas, natureza e marcas de sungas e biquínis...

Se eu fosse uma frase, seria “o que se leva desta vida, é a vida que se leva” ou “quem quase morreu ainda vive, mas quem quase vive já morreu”

Wednesday, May 23, 2007

Friozão !!!!!

Caracas...lá fora tá quase assim ... um ar maravilhosamente gelado coberto com uma quase espessa camada de neve ...eheh..aqui dentro tá um ar maravilhosamente quente com cheiro de fogo de lareira e sabor de vinho tinto com pinhão, eheh ... muito bom alguns dias assim...

Tuesday, May 15, 2007

Gatos Pardos


Sempre escutei que à noite todos os gatos são pardos. Pois é.

Há muito tempo passava em frente a um lugar. Ficava observando tudo que rolava por ali. Imaginava milhões de situações que poderiam rolar lá dentro. E de tanto passar por ali, um dia uma pessoa se aproximou e me convidou para entrar. Garantiu que poderia ficar tranquilo, que nada de ruim iria acontecer. Disse que no inicio todos sentimos um pouco de insegurança, mas que aos poucos certamente eu iria me sentir bem adaptado.

Pois, mesmo um pouco assustado, numa noite criei coragem e entrei. De cara me perguntaram meu nome para estampar na comanda que me acompanhava. Putz!!! Respirei fundo e continuei em passos forte e firmes para parecer dono do pedaço. Observando, fiquei andando durante horas. Não deixava ninguém se aproximar muito. E quando vi já era madruga e resolvi voltar pra casa.
Saciada a curiosidade do desconhecido, desejava conhecer outros lugares. Mas, curiosamente, me via sempre voltando para aquele lugar. Nunca mais vi a pessoa que me convidou pela primeira vez. E aos poucos eu já estava rindo, pulando, dançando, cantando, bebendo e chorando com total liberdade e segurança. Tinha feito amigos. Estava aconselhando e convidando novos e apavorados iniciantes a entrarem por aquela porta.

Muito engraçado. Da noite para o dia vamos dominando nossos medos e simplesmente nos sentimos seguros para continuar estimulando a criatividade. Pois foi bem assim que, exigindo mais da minha capacidade de relacionamentos, resolvi provocar de novo o desconhecido. Ele que se apresentava somente com um nome. Fomos fulminantes. As palavras viraram diálogos que viraram cartas que viraram mundos que se aproximavam. Apesar de existir uma grande intimidade, o desconhecido continuava misterioso. Me fez comentários inesquecíveis, me colocou imensas dúvidas, me questionou continuadamente, me provocou.

Nos encontrávamos de forma planejada, mas sempre inesperada. Na maioria das vezes não conseguia vê-lo com clareza. No meio daquelas luzes, daquela fumaça e daquele mundão de pessoas, apenas sentia a presença dele. Sentia sua respiração. Sentia algumas palavras. Sentia algumas provocações. Nada tão objetivo para concluir e nada tão ambiguo que fizesse desistir. Ficamos nessa condição durante algum tempo. Por algumas vezes ele sumia para fazer um charme, ou porque talvez fosse necessário. Apenas sei que durante meses pouco sabia dele, a não ser o fato de que poderia encontrá-lo ali.

Num dia tudo mudou. Fizemos um duelo e ambos cumprimos a promessa. A pessoa que inventou o Orkut pensava que a rede de relacionamentos tinha que aproximar as pessoas. Pois, foi exatamente esse orkut que nos distanciou. Ele diz que o preço das conquistas é a perda de alguma coisa, nesse caso o encanto que foi quebrado. Não sei se eu concordo. Mas percebo mudanças. Ele mudou a respiração. Ficou mais lento. Ficou mais quieto. Ficou ansioso. Ficou independente. Escondeu-se para mim. Até hoje não entendo porque ele quis acabar exatamente no ponto em que tudo poderia começar. Talvez porque os gatos tenham deixado de ser pardo.

Sunday, April 29, 2007

Elementos


Pessoal. Que aventura.

No post passado me enfiei no meio do mato atrás do elemento água.

Esse final de semana me aventurei pelo ar...eheh..muito legal.....fui visitar um Festival de Balonismo (foto lá em cima) que rola todos os anos numa praia aqui do meu estado.

Só que neste ano, foi muito especial. O tempo tava perfeito: céu azul, friozinho na manhã e na noite, ar limpo....condições super boas para isso. Mas o mais louco foi a aventura inesperada também no ar.
Pois é, aliás , “poison”.... eu subi lá no nosso morro e saltei!!!!!


Tá bem explico melhor: 1. Essa praia faz parte da minha vida desde que nasci 2. Meus pais tinham casa de veraneio por lá 3. Essa praia tem alguns morros junto ao mar, mas existe um em especial que eu adorava subir para apreciar a vista.4. Descobri que Poison também faz isso.

Voltando para a aventura, existem experiências que possuem significados especiais completamente particulares. Coisa que pode parecer para vocês uma grande bobagem. E essa certamente foi uma....mais uma vez ele tinha razão quando teclou no MSN comigo na sexta.

Sunday, April 22, 2007

Energia

Ualll....... ele tinha razão.

Depois de vários dias, quase semanas, numa roda de dias difíceis, eheh, fui consumindo meu astral e minhas forças. Fui confirmando uma coisa que cada dia acredito mais: quanto mais negativo estamos, mais momentos difíceis atraímos. Odeio ficar reclamando, por isso não estava postando.
Mas diante de tantos fatos marcantes na minha vida pessoal e profissional, estava quase assustado....mas confesso que não podia recuar. Não podia simplesmente me abater. Tinha que manter meu foco. Tinha que manter vivo minhas crenças de acreditar na capacidade que temos de chutar essas pedras.

Falava com alguém especial sobre isso...quando ele reagiu com um comentário que virou uma grande sugestão: “vai rolar uma terapia de trilha, um banho de cachoeira, alguma aventura numa montanha”.... eheh.

Valeu Poison. Somente hoje consegui passar um dia nessa cachoeira da fotos dai de cima. Um lugar completamente fora do mundo: inúmeras quedas de uma água geladésima cercada por uma floresta maravilhosa com um silêncio imperativo.

Ë uma purificação pra encarar a semana.

Thursday, April 12, 2007

Trash



Ual....que dias....que semanas....quase não consigo entrar aqui para ler meus amigos e para postar novidades. Tenho certeza que 2007 conspira. Tudo parece truncado. Todos parecem não enteder. As vezes penso que não falo mais português. Tudo muito trash. Será?

Friday, March 30, 2007

A FESTA

Meses atrás, eu havia planejado fazer uma festa na noite de hoje. Havia convencido minha mãe que o ano de 2007 deveria ser festejado, pois representava datas marcantes para mim e para ela. Após muito relutar, tenho certeza que ela se entusiasmou pelos meus planos. Queria fazer uma Festa de Máscaras ou um Baile a Fantasia. Queria fazer uma noite mágica. Numa única festa reunir meus amigos, os amigos dos meus pais, e os amigos em comum. Queria resgatar as fantasias infantis, queria ver pessoas rindo e dançando, queria celebrar a vida, queria dividir a emoção da amizade com nossos amigos.

No último fim-de-semana fui a um casamento que era bem assim. Era uma festa num clube náutico, em que os noivos dançaram salsa ao invés de valsa e que as mulheres abandonaram os sapatos de saltos para pularem descalças, descontraidamente, à beira da piscina. Obviamente com antenas de abelhas, perucas coloridas e pulseiras de neon.
Assim que eu imaginava minha festa.

Mas nem sempre conseguimos realizar o que planejamos. A vida é uma caixa de surpresas que, muitas vezes na última hora, rouba nossa energia. Sei que meu sonho, como havia planejado, nunca mais poderá ser realizado, mas nunca deixarei de sonhar. Todos os anos ele estará lá dentro da mochila no meio dos dez desejos do reveilon.

Obrigado pelos comentários de todos. Fico feliz em rever amigos e descobrir os novos que tem passado por aqui. Aprendi que temos que celebrar com os que aparecem e não reclamar dos que estão sumidos.


Bom finde.

Sunday, March 18, 2007

CRAZY.



Crazy....esse é nome do filme que eu fui ver nesse finde.

Muiiiiiiiiito bommmmm. Esse filme conta a história de uma familia com 05 filhos. Se passa entre as décadas 60 e 90....e um deles tinha q ser crazy né.

Tinha que questionar toda a estrutura tradicional da familia, tinha que ser dj, tinha que curtir Queen e Fred Mercury, tinha que fumar maconha, tinha que dar lição para o irmão mais velho, tinha que fugir, tinha que conquistar seu espaço na família, e, finalmente , tinha que questionar sua sexualidade. Claro..... é emocionante ver seu pai orgulhar-se do filho problema aceitando as opções dele.

Não percam. Vale a pena !!! No mínimo para rir bastante das calças boca-de-sino e dos discos bolachão (antes que me perguntem eram os LP= Long Play) da década 70.

Amanhã começa parada dificil de trabalho. Boa semana.

Friday, March 16, 2007

TEMPO


Putz ... como passa esse tal de tempo. Passei dias maravilhosos com meus pais. Aproveitei pra curtir coisas bem caseiras ..... caminhar na areia, catar conchas, tomar banho de mar à noite, correr na chuva, cozinhar, ver tv deitado num sofá de almofadas enormes, dar uma dormidinha numa rede ..... quantas coisas simples, mas maravilhosamente boas.

A tal da wireless sumiu no dia seguinte. Tava emocionado com a facilidade. Daí pela primeira vez na vida passei a freqüentar uma Lan House. Putz .... numa noite fui assediado insistentemente por um gordinho escroto (nada contra gordinhos!!!! tudo contra os escrotos!!!). Pior que ele estava sentado numa máquina que quando eu usei na tarde, tava na memória do hotmail o end do usuário anterior:
gatobi......@hotmail.com . A dúvida toda era se ele era o tal gato ... que enganaçao!!! Ainda bem que, mesmo num sábado à noite, eu encontrei um amigo no MSN para, além da companhia, me salvar daquela situação...ahaha...rimos bastante. Valeu Trintinha! Na outra noite o vizinho era um salva-vidas. Todo metido a hetero .... será que era??? Sei lá. Tinha um pé enorme... Na prática, jamais rolaria alguma coisa. Valeu a experiência inusitada.

Mas isso foi lá atrás ... há quase uma semana ....depois de ter ficado 40 min trancado num avião por causa do Bush....como queria fazer essa porra de relógio (ops....um palavrão.!!! desculpa ae foxx) parar. Já estou novamente ficando esbranquiçado de cidade. E simplesmente com saudades dos amigos que não me encontram ou eu não encontro, especialmente os que deram chá de sumiço. Né, sr. Poison???

Friday, March 09, 2007

SEGREDOS



Incrível.....Sempre achei que soubesse o significado e o sentido da palavra Segredo. Mas sinceramente, acho que ela mudou de lugar e foi parar em outra parte da nossa vida.

Desde criançca aprendemos a contar coisas secretas que aconteciam em nossas vidas para pessoas que selecionavamos por critérios impares. Contávamos segredos de brigas familiares para nosso colega de trabalho, intrigas de trabalho para nossa familia, flertes e paixões para parceiros de mesa de bares, alegrias e emoções para nossos chefes, mas invariavelmente, contávamos particularidades que deveriam ser guardadas em cofres para não serem surrupiados por piratas inimigos. Mostravamos a cara com sorrisos de canto de boca para disfarçar a cumplicidade de aventuras especiais.

Tive pensando sobre isso durante o dia. Estamos fazendo o contrário: contando segredos secretos (eta redundância) para amigos virtuais e publicando em blogs na internet. Achei fantástico descobrir que quase tudo que escrevemos ou lemos são quase segredos de cada um .... o nosso querido Poison com seus pingos de chuva fantasiados de soldadinhos, nosso incomum Sunshine e seu emprego de dois meses depois de milhares de baladas fortes, o jaleco e suas eternas mudanças, o bidu com seu carnaval e suas transas, o duelo de partes intimas entre trintinha e o foxx....meu deus!!!! e eu com meu recente desafio de enfrentar problemas tão sérios. Caracas .... como pode isso. Nós passamos ser o segredo e nossos segredos passaram a ser a notícia pública. Não me importo com nada disso, apenas não ficar com cara de importante quando ninguém entende o que tá sendo dito.


. Deitado na cama, descobri que na casa dos meus pais, além do marzão tem wireless para eu postar essas bobagens .... eheh ... precisava relaxar .... era isso por hoje.

Wednesday, March 07, 2007

REINVENTANDO A VIDA II


Do outro lado da linha, uma voz fria, tensa e preocupada. Em segundos escuto a resposta para o que está tirando meu sono há dias. De forma rápida, a mensagem ecoa em meus ouvidos: no momento, o melhor e único tratamento que vamos tentar, é darmos a melhor qualidade de vida para o resto da vida.

Meu chão desaparece. Rapidamente sinto que a vida é feita de milhares de momentos que são empilhados no tempo. Como num filme, inúmeras cenas passam rapidamente pela minha mente. Lembro de ajudar e ser ajudado. Lembro de dar as mãos. De dar e ganhar presentes. De dar preocupações. Dar alegrias e tristezas. Os inúmeros abraços de despedidas e os milhares beijos de boas–vindas. Fomos à festas, fizemos churrascos, viajamos e bebemos vinhos. Jogamos cartas e tomamos banhos de mar. Aprendi e ensinei. E, principalmente, sei que ter tantos momentos juntos foi um privilégio.

Nos últimos dias, de forma imensamente solitária, estou convivendo com essa verdade que não consigo acreditar. E agravada pela responsabilidade de dizer para alguém que vida está no fim. Durante as noites, enquanto as pessoas dormiam, eu corria pelas ruas da minha cidade. Precisava respirar. Precisava fugir das paredes da minha casa. Precisava escutar o silêncio das ruas interrompido, eventualmente, por lágrimas que me dava o direito de derramar. Tentei postar, mas desisti. Não quero ser sensacionalista. Quero falar da Vida e não da falta dela. Meu Deus que missão cruel.

Acho que foram esses eternos segundos, que me deram a lucidez e a coragem. Aprendi muito. E, solitariamente, comecei a cumprir a missão mais dolorosa de minha vida: reinventar a vida para meu pai. Consegui. Sei que fiz ele feliz mais um pouquinho. São mais momentos que poderão ser guardados em nossos corações.

Desculpem pelo post. Obrigado pelo carinho dos amigos que já sabiam desse assunto. Meu pedido: Parem de fumar.

Joguei algumas coisas para o alto. Hoje pego um avião para passar alguns dias num marzão maravilhoso com meu pai e minha mãe.

Não podia deixar passar. Para minha mãe, mulher do meu coração e para todas outras mulheres da minha vida:

Mulher é muito mais que TPM ou maternidade.
É muito mais do que vestir rosa ou esconder a idade.
Mulher é a vontade de mudar. É ser insatisfeita e viver nos extremos.
É desejar não sentir a angústia do médio ou do morno. A culpa não é dos hormônios nem do menor número de neurônios. A culpa, ou melhor, o mérito é genuíno. Vem da inquietação de ter nascido em um corpo que sempre sente, com olhos que muito vêem e com coração que por tudo pulsa.
Até a palavra mudança é um substantivo feminino. Mulher muda a cada mês, questiona a cada dia, e ainda bem, vive e cria a toda hora
.

Thursday, February 22, 2007

Tietagem X Carnaval

E agora ... o que contar???...Tudo embolou de vez.

Sei que todo mundo vai ficar ai falando e contando festas, cervejadas, baladas, e outras folias do Carnaval. Mas sinceramente faz muito tempo que meu carnaval se resume num maravilhoso feriadão na beira da praia, com direito a muito sol (nesse ano mais nuvem que sol) e mar, que dura quase uma semana.

Confesso que não me incomodo com as pessoas que curtem as festas de rua, apenas não suporto aquelas festinhas de botecos com um monte de caras disfarçados de mulheres, lêia-se sutiã encobrindo peitos peludos e perucas loiras menores que as cabeças, completamente encharcados as 10:00hs da manhã e tentando cantar alguma coisa desafinada para acompanhar um batuque ao fundo. Isso é terrível. Acho que os caras esperam o ano inteiro pra fingirem que isso é carnaval.... eheh...tô fora!!!

Curtiria sim entrar numa festa na avenida...tipo sentir toda aquela energia inexplicável que contamina todo mundo...tipo campo de futebol...acho que deve ser uma ótima terapia.
.
Pois é....sobrevivi. Pelos comentários do post anterior, percebi que o Raí faz sucesso no pedaço, e apesar de ser meu ídolo também, o atleta que conheci não era ele.

Parece quadro do Gugu, mas “um dia com o ídolo” foi muito engraçado. Eu tinha que manter uma concentração profissional, mas invariavelmente se alternava com pensamentos e desejos, ao mesmo tempo em que imaginava como postar tudo isso.

Vou contar apenas a parte mais hilária. Quando fui ao aeroporto buscá-lo, simplesmente me deparei com uma turminha de meninas quase adolescentes, sei lá de onde, que estavam chegando de uma excursão tipo uma semana em Porto Seguro. Pronto! Tava feito o cenário desastroso. O cara colocou o nariz pra fora do desembarque e foi uma avalanche de pedidos de beijos, fotos e autógrafos. Obviamente, as viajantes e todo seus parentes - mães, avós, pais, irmãs, em suma todos que cabiam nas camionetes que vieram desde não sei de onde só pra buscá-las – que estavam lá esperando ansiosamente.

E eu?? Eu tava lá no meio de tudo isso, tentando dizer que não era um fã (mentira), mas sim a pessoa que tinha ido buscá-lo pra reunião. Após uns 20 min tentando burlar o segurança e assistindo a mais pura tietagem, consegui dizer o que estava fazendo ali. Agora escrevendo isso me dou conta que certamente devo estar em diversas fotos (impressas !!! sim fotos feitas em máquinas de filme.... ahahah) de meninas colegiais. Quando conseguimos sair dali e seguir para o carro, percebi como seria meu dia e talvez minha decepção: odeio pessoas que se acham e que ficam contando vantagens. E passei todo o dia escutando isso: por que eu posso, por que eu quero, por que comigo não tem, e mais um monte de bobagens que não quero contar pra não tirar o tempo de vocês.

Obviamente que não dei o braço a torcer: não pedi foto, não pedi autógrafo e nem disse que eu era fã. E seguindo uma boa sugestão tratei o assunto com muita elegância a ponto de vê-lo apenas como um produto que facilmente conseguiria outros, até bem mais jovens, ...eheh...(até parece!!).

Na real descobri o óbvio, aliás o que sempre achei. Construímos fantasias e acreditamos nelas fielmente. A ponto de que quando vi o cara com seus 1,90 cm., suas coxonas , suas tatuagens, seu cabelo preto como índio, e a pose de atleta novamente na TV desfilando na Portela numa vibração energética eu babei mais uma vez. PQP!

Monday, February 12, 2007

O CARA

Caracas !!!!! Eu tinha que contar.

Há um tempão atrás, eu estava numa festa onde também estava o Lulu Santos junto com sua mulher. Claro, que de longe percebi que rolava uma tietagem em volta dele. O pior que na intenção de homenageá-lo, resolveram tocar uma música sua. Foi nesse exatamente momento que, com ótimo humor, começou a despedir-se das pessoas dizendo que a festa havia acabado.
Descobri que algumas pessoas mais badaladas não curtem esse lance de estarem sempre na vitrine. Tipo assim ouvi um escritor dizer que a pior homenagem que ele pode receber é escutar um texto seu lido em público na sua presença. É como parar na frente do espelho na frente de todo mundo. Pois é....fico pensando que vidinha difícil essa de estar sempre sendo paparicado, abordado, seduzido, etc.

Estou postando isso por que já conheci algumas pessoas mais públicas e sempre me comportei com muita indiferença nessas situações....não me emociono demais até para sempre deixar o ambiente mais relaxado. Mas nos próximos dias vou vivenciar uma coisa muito diferente.

Por motivos (estritamente !!! PQP) profissionais vou fazer uma reunião com uma pessoa que foi (ou ainda é) um legitimo sonho de consumo para todos que são atraídos por homens ...eheh...vou fazer uma reunião com um cara que, durante muitos anos fez eu babar na frente da televisão ao vê-lo em jogos do Brasil. Ele é um atleta super conhecido, com quase 1,90 dos quais boa parte são cms de coxas fortes (ehehe). Realmente estou naquele grande nervosismo de como passar um dia com um cara desses. Vou ter que pegá-lo no aeroporto, viajar 2 horas no meu carro (do meu lado ..ehehe), fazer a reunião, almoçar num restaurante badalado (eheheh), retornar deixando-o de volta no aeroporto. PQP !!! Como fazer isso sem demonstrar um pingo de tietagem??? sem pedir uma fotinho pra guardar colada no porta do armário??? sem ganhar um autógrafo??? aiaiaiai, e pior o que vou falar com ele em todos esse tempo “outwork”??????

Juro, que pela primeira vez na vida tenho medo de cair na breguice de ficar boquiaberto por um ídolo...eheh. Acho que serão minutos muito longos....Mas enfim, tenho que encarar. Contarei detalhes....se eu sobreviver..eheh!!

Monday, January 29, 2007

Manual de Instruções

Vamos aos tropeços, caímos e levantamos o tempo todo. Por vezes uma queda nos estraga por inteiro, física e espiritualmente, e levamos mais tempo para levantar, mas recuperamos e vamos em frente, porque o show da vida tem de continuar.

Dias atrás resolvi reler histórias infantis do Monteiro Lobato. Comecei pela maravilhosa história "Viagem ao céu". A leitura atual, evidentemente tem outro nível de percepção comparado ao tempo em que li esse livro na infância. Mas a magia do texto de Lobato nos envolve como leitores, criatividade e simplicidade são as tônicas principais, e o inigualável poder de síntese daquele excepcional contador de histórias nos leva a surfar pela infinitude do universo, no linguajar próprio de Emília, de longe a personagem que mais me atrai e com a qual mais me identifico entre todas as outras. Por seu inconformismo e pela autenticidade. As maiores "tiradas" do genial escritor são dedicadas a essa personagem o que me leva a acreditar que também ele tinha essa preferência.

Li também "O saci". Nessa história Pedrinho e o Saci mantêm conversa na madrugada de uma floresta escura e amedrontadora, onde povoam a mula sem cabeça, o Curupira, o Boitatá, a Iara, e outros. O Saci conta para Pedrinho que os sacis não lêem livros, pois já nascem sabendo de tudo o que precisam, da mesma forma que todos os animais e seres vivos da floresta. No meio do texto o Saci questiona: "quem é que disse que o mosquito logo ao nascer deve se alimentar do sangue das pessoas, preferencialmente dos que estão dormindo, e depois deve ir colocar seus ovos para que nasçam mais mosquitos?" O Saci mesmo conclui: "ninguém. O mosquito já nasce sabendo tudo o que tem de fazer, sem precisar ler livros, ao contrário de vocês humanos, que precisam ler muitos livros para aprender algumas poucas coisas".

Na infância aprendemos mais do zero ao sete anos, do que dos sete aos setenta, já juventude colocamos importâncias diferentes no nosso manual individual, e como nunca aprendemos com os erros dos outros durante a fase adulta, é que temos o imenso privilégio de sermos únicos. E é essaa diversidade humana que garante celebrarmos a vida além de comer comida e comer pessoas (sexo!!!!! né) eheh .

Meu Manual de Instruções certamente começaria pela mais importante descoberta da minha vida: viver todos os dias tudo que couber nos meus sonhos.
E você o que escreveria no seu Manual de instruções?